• Tag Archives Politica
  • Jornal – Povo Livre – Partido Social Democrata – PSD

    Jornal - Povo Livre - Partido Social Democrata - PSD
    Jornal – Povo Livre – Partido Social Democrata – PSD «€100.00« Cada Volume

    Jornal – Povo Livre « Órgão Oficial do Partido Popular Democrático» – Partido Social Democrata – PSD – Ano I Numero 1º de 13 de Agosto 1975 – Director : José Augusto Seabra / Jornal – Povo Livre « Órgão Oficial do Partido Popular Democrático»- Partido Social Democrata – PSD – Ano II Numero 670 de 19 de Agosto 1987 – Director : Vitor Crespo – Desc. 41cm x 31,5 Encadernados em 13 Volumes


  • A Burla do 28 de Setembro

    A Burla do 28 de Setembro
    A Burla do 28 de Setembro «€20.00»

    António Maria Pereira – A Burla do 28 de Setembro – Livraria Bertrand – Lisboa – 1976 . Desc. 315 Pagi / 21,5 cm x 16 cm / E. de Origem

     

    António Maria Pereira (Lisboa, 12 de Fevereiro de 1924 — Lisboa, 28 de Janeiro de 2009) foi um advogado português. Herdeiro da Parceria A. M. Pereira, Editora de livros que havia sido fundada pelo bisavô em 1848, licenciou-se em Direito, na Universidade de Lisboa, em 1948. Na década de 1960 iniciou a criação daquela que viria a ser a maior sociedade de advogados de Portugal, a PALM – A. M. Pereira, Sáragga Leal, Oliveira Martins, Júdice & Associados. Foi o primeiro advogado especialista em Direito da Propriedade Intelectual, reconhecido pela Ordem dos Advogados. Exerceu funções públicas como delegado de Portugal na Organização Mundial de Propriedade Intelectual e na UNESCO, presidiu à Secção Portuguesa da Comissão Internacional de Juristas, organização dedicada à promoção e protecção dos direitos humanos, a que foi atribuído o Prémio de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas e o primeiro Prémio Europeu de Direitos Humanos outorgado pelo Conselho da Europa. A sua actividade na defesa dos direitos dos animais, valeu-lhe uma condecoração da Rainha Isabel II do Reino Unido, que lhe atribuiu o título de Sir. Militante do Partido Social Democrata, foi também deputado à Assembleia da República, de 1987 a 1995, onde presidiu à Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros, entre 1991 e 1995, e foi membro do Comité Político da Assembleia Parlamentar da OTAN.


  • Liberdade Para Portugal

    Liberdade Para Portugal
    Liberdade Para Portugal «€20.00»

    Victor Cunha Rego e Friedhelm Merz – Liberdade Para Portugal – Livraria Bertrand – Lisboa -. 1976. Desc.300 Pagi + 8 Estampas Fotográficas / 21,5 cm x 16 cm / Encadernação de Origem

    Obs: Colaboração de Mário Soares, Willy Brandt, Bruno Kreisky


  • Caminhos Para Uma Revolução«Sobre o Fascismo em Portugal e a Sua Queda»

    Caminhos Para Uma Revolução«Sobre o Fascismo em Portugal e a Sua Queda»
    Caminhos Para Uma Revolução«Sobre o Fascismo em Portugal e a Sua Queda» «€20.00»

    Jacinto Baptista – Caminhos Para Uma Revolução«Sobre o Fascismo em Portugal e a Sua Queda» – Livraria Bertrand – Lisboa – 1975. Desc. 334 + 4 Estampas Fotográficas no Convento do Carmo / 21,5 cm x 16 cm / E- de Origem «1 Edição»


  • O Homem Eterno

    O Homem Eterno
    O Homem Eterno «€15.00»

    Louis Pauwels e Jacques Bergier  – O Homem Eterno – Livraria Bertrand – Lisboa – 1971. Desc. 361 Pagi /21,5 cm x 16 cm / E.

    Jacques Bergier ( francês:  , nascido Yakov Mikhailovich Berger ; russo; Odessa , 08 de Agosto de 1912 – 23 de Novembro de 1978, Paris), era um engenheiro químico , membro da resistência francesa , espião , jornalista e escritor . Ele co-escreveu o best-seller O Despertar dos Mágicos com Pauwels Louis derealismo fantástico . Yakov Mikhailovich Berger , que mais tarde adoptou o nome de Jacques Bergier  , nasceu em Odessa em 1912. Mikhail Berger, seu pai, era um judeu mercearia atacado e sua mãe, Etlia Krzeminiecka, era um ex-revolucionário. Um tio-avô de sua era uma milagrosa rabino e em sua autobiografia, Je ne suis pas une légende , Bergier diz que ele era um primo do físico nuclear George Gamow e de um certo Anatoly, um membro do pelotão de fuzilamento que atirou czar Nicolau II . Ele era um talentoso filho: em dois leu seu primeiro jornal e às quatro, ele poderia facilmente ler russo , francês e hebraico . Ele era um leitor da velocidade (até o final de sua vida, ele poderia ler 4-10 livros por dia) e tinha uma memória fotográfica . Ele era uma criança cheia de vida, e ele contou histórias fabulosas som de discutir a estratégia com os generais, bem como falar com prostitutas de rua em Odessa. Ele nunca foi à escola, mas teve professores particulares. Em 1920, a Guerra Civil Russa forçaram a família Berger a refugiar-se na pátria Etlia em Krzemeiniec , Northwestern Ucrânia . Jovem Yakov Mikhailovich foi a um talmúdica escola e ele ficou encantado com o estudo da Cabala e seus mistérios. Além disso, ele estudou matemática , física , alemão e Inglês . Ele leu tudo o que poderia colocar as mãos, mas sua leitura favorita era ficção científica . Em 1925, a família se mudou para a França . Ele tornou-se um assistente para o notável físico atómico francês André Helbronner que foi morto pela Gestapo para o final de Segunda Guerra Mundial . De acordo com Walter Lang , Bergier foi abordado por Fulcanelli com uma mensagem para Helbronner sobre o uso possível do homem de armas nucleares . A reunião teve lugar em Junho de 1937, em um laboratório da Directoria de Gás em Paris Em 1954 conheceu Bergier Louis Pauwels, escritor e editor, em Paris. Eles, mais tarde, colaborar no livro, Le Matin des Magiciens que foi publicado na França em 1960. Este livro leva o leitor a um passeio de neo-surrealista da história europeia moderna focando a influência suposta das sociedades ocultas e secretas sobre política. Ele também tenta se conectar a alquimia com a física nuclear, sugerindo que os alquimistas primeiros entendido mais sobre a função real de átomos do que eles são creditados. Le Matin des Magiciens era muito popular com a cultura da juventude na França na década de 1960 e 1970. Foi traduzido para o Inglês por Rollo May, em 1963, sob o título The Dawn of Magic . Ele apareceu pela primeira vez nos EUA em forma de livro em 1968, como O Despertar dos Mágicos . Este livro deu origem a todo um género de explorações em muitas das idéias que ela levantadas, tais como ligações entre o nazismo e o ocultismo . Tornou-se um clássico cult, muitas vezes referenciado por teoria de conspiração entusiastas e os interessados em ideias de história proibida e estudos ocultos. A questão permanece: quanto dentro do conhecimento que Pauwels e Bergier realmente tem, ou quanto de sua tese foi invenção meramente imaginativo? De qualquer maneira, sua magica mistério da dialéctica entre materialismo e metafísica continua a influenciar os pesquisadores neste campo hoje. Pauwels e Bergier colaborou em dois livros posteriores de ensaios, Possibilidades Impossível e O Homem Eterno . Eles também que produziu um jornal chamado Planète que explorou ideias esotéricas. Bergier estava interessado nas possibilidades de vida extraterrestre e explorou relatos de avistamentos de OVNIS. Jacques Bergier morreu em Novembro de 1978, dizendo de si mesmo: “Eu não sou uma lenda.”


  • Ofício de Espião

    Ofício de Espião
    Ofício de Espião «€15.00»

    Allen Dulles – Ofício de Espião – Livraria Bertrand – Lisboa – 1963. Desc. 378 Pagi /21,5 cm x 16 cm / E.

     

     Allen Dulles nasceu em 7 de Abril de 1893, em Watertown, Nova Iorque  , e cresceu em uma família onde o serviço público foi valorizado e assuntos do mundo foram um tema comum de discussão. Dulles foi um dos cinco filhos de Presbiteriana ministro Allen Dulles Macy e sua esposa Edith (Foster). Ele era cinco anos mais novo que seu irmão John Foster Dulles , Dwight D. Eisenhower oSecretário de Estado e presidente e sócio sênior da Sullivan & Cromwell , e dois anos mais velho do que sua irmã, diplomata Eleanor Lansing Dulles . Seu avô materno era John W. Foster , que foi secretário de Estado de Benjamin Harrison . Seu avô paterno, John Welch Dulles, tinha sido um missionário presbiteriano na China. Seu tio (por casamento), Robert Lansing , também foi um Secretário de Estado dos EUA. Seu sobrinho, Avery Dulles , era um católico romano cardeal , jesuíta padre, teólogo e notou que lecionava naUniversidade de Fordham . Dulles graduou Universidade de Princeton , onde participou na Sociedade Whig-Cliosophic americana  , e entrou no serviço diplomático em 1916. Quando Dulles estava servindo na Suíça, ele foi o responsável por analisar e rejeitar Vladimir Lenin aplicação é para um visto para os Estados Unidos.  Em 1920 ele se casou com Clover Todd, filha de uma Universidade de Columbia professor; seu único filho, Allen Macy Dulles Jr., foi ferido e permanentemente desativado na Guerra da Coreia , quando um fragmento de argamassa penetrou seu cérebro. Em 1921, enquanto na Embaixada dos EUA em Istambul , Dulles expostos os famosos Protocolos dos Sábios de Sião como uma falsificação, proporcionando a história para o The Times de Londres. O artigo foi reimpresso no The New York Times .  Em 1926, ele se formou em Direito da George Washington University Law School e aceitou um emprego na firma de Nova York, onde seu irmão, John Foster Dulles, era sócio. Ele se tornou um diretor do Conselho de Relações Exteriores , em 1927, o primeiro diretor novo desde a fundação do Conselho, em 1921. Ele foi secretário do Conselho de 1933-1944. 


  • Grandes Espiões da Segunda Guerra Mundial

    Grandes Espiões da Segunda Guerra Mundial
    Grandes Espiões da Segunda Guerra Mundial «€20.00»

    Albert Demaziere. Louis Garros, Pirre Ganz, Jean Marcillac, Gabriel Meretik Philippe de Sars, Thomas Schreiber – Grandes Espiões da Segunda Guerra Mundial – amigos do Livro – Lisboa – S/D . Desc. 282 + 318 + 16 Fotos / 20cm x 13cm com Encadernação de Origem


  • Êxitos e Desaires da Espionagem Americana «CIA»

    Êxitos e Desaires da Espionagem Americana «CIA»
    Êxitos e Desaires da Espionagem Americana «CIA» «€40.00»

    P.F. de Villemarest – Êxitos e Desaires da Espionagem Americana «CIA» -Tomo I «A Guerra Oculta Sem Serviços» «1917-1941» / Tomo II «Do Coi Ao Oss» «1941-1945» / Tomo III «A Capa e A Espada da CIA» / Tomo IV «A CIA na Era Atómica» – Amigos do Livro – Editores – Lisboa – S/D. Desc. 291 + 280 + 280 + 280 paginas com Encadernação de Origem

    Ob:P.F. de Villemarest com a Colaboração de Danièle de Villemarest e os Arquivos do Centro Europeu de Informação


  • 50 Anos de História 1900-1950-1950

    50 Anos de História 1900-1950
    50 Anos de História 1900-1950 «€120.00»

    50 Anos de História 1900-1950 – Editorial “Século” – Lisboa – 1950. Desc. 1368 + 56 paginas de Índice dos Capítulos, Índice dos Hors-Textes, Índice de Nomes Próprios, + 57 Estampas  / 31,5 cm x 25 cm /E. Tela


  • Répétitions Écrites Sur L´Histoire Diplomatique I e II (1713-1802) (1848-1888)

    Répétitions Écrites Sur L´Histoire Diplomatique I e II
    Répétitions Écrites Sur L´Histoire Diplomatique I e II(1713-1802) (1848-1888) «€120.00»

    Répétitions Écrites Sur L´Histoire Diplomatique I e II (1713-1802) (1848-1888) – Répétitions Écrites & Orales – Paris – 1937-1938. Desc. 286 + 341 Pág /  26 cm x 17,5 cm / E. Meia Francesa em Pele.

    Obs: Obra não identificada escrito em máquina de dactilografia Sobre a história Diplomáticas Europeias Francesas


  • Salazar

    Salazar
    Salazar «€85.00»

    Franco Nogueira – Salazar – Vol -I (A Mocidade e os Princípios – 1889-1928) Estudo Biográfico – Atlântida Editora, S.A.R.L – Coimbra – 1977. Desc. 339 Pág / 22 cm x 15 cm /Salazar – Vol – II (Os Tempos Áureos – 1928-1936) Estudo Biográfico – Atlântida Editora, S.A.R.L – Coimbra – 1977. Desc. 380 Pág / 22 cm x 15 cm /Salazar – Vol – III (O Ataque – 1945-1958) Estudo Biográfico – Atlântida Editora, S.A.R.L – Coimbra – 1980. Desc. 534 Pág / 22 cm x 15 cm /Salazar – Vol -IV (O Ataque – 1945-1958) Estudos Biográficos  – Atlântida Editora – Coimbra – 1980. Desc. 534. Pág /22 cm x 15 cm /Salazar – Vol -V (A Resistência – 1958-1964) Livraria Civilização – Porto – 1984. Desc. 609 Pág / 22 cm x 15 cm / Salazar – Vol -VI (O Último Combate – 1964-1970) Livraria Civilização – Porto – 1985. Desc. 511 Pág /22 cm x 15 cm / Br.


  • Entrevista 1960-1966-1966

    Entrevista 1960-1966
    Entrevista 1960-1966 «€50.00»

    Oliveira Salazar – Entrevista 1960-1966 – Coimbra Editora Lda – Coimbra – 1967 . Desc. 243 Pág. /19,5 cm x 14 cm / Br.

     António de Oliveira Salazar nasceu no dia 28 de Abril de 1889 em Vimeiro, concelho de Santa Comba Dão, no seio de uma família de pequenos proprietários agrícolas e o seu nome ficará para sempre na História de Portugal como o estadista que mais tempo governou, de forma autoritária e em ditadura, o país. A sua educação sofreu sempre uma fortíssima influência católica, facto que viria a reflectir-se em vários momentos da sua vida, chegando mesmo a frequentar um seminário. No entanto, seria na Universidade de Coimbra, na Faculdade de Direito, que viria a terminar a sua formação académica. Licenciado em direito em 1914, inicia a carreira de professor universitário 3 anos mais tarde e com ela um percurso que o levaria a atingir o grau de professor catedrático. Desde cedo António de Oliveira Salazar se envolveu em política. Em 1921 é eleito deputado, cargo que ocuparia apenas durante 1 dia porque, segundo ele próprio viria depois a justificar, advogava uma renovação de objectivos e de processos de governação que aquela assembleia não viabilizaria. Voltaria ao activo político em 1926, depois da revolução ocorrida em Maio desse mesmo ano, quando aceitou ser Ministro das Finanças, cargo que ocupou durante apenas 13 dias. Seria só em 1928 que a carreira política de Salazar viria a solidificar-se. Nesse ano voltou a aceitar a pasta das Finanças depois de ter garantido junto dos militares que o seu ministério seria o único a poder autorizar despesas. Desde essa altura, nunca mais abandonaria o poder. Em poucos anos conseguiu chegar ao cargo de Presidente do Conselho, posição que manteve até ao dia da sua morte, quase 40 anos depois, em 1968. Durante cerca de 4 décadas Salazar criou e instituiu em Portugal o Estado Novo, um processo de governação autoritário e ditatorial que se estendeu a todos os sectores da vida do país e dos portugueses. Com o Estado Novo chegaram a censura, a Legião Portuguesa, a polícia política (primeiro chamada PVDE, e mais tarde PIDE), a Mocidade Portuguesa e uma forte máquina de propaganda, que era essencialmente a repressão a fim de manter o regime a todo o custo. Numa época em que os regimes ditatoriais de carácter fascista alastravam pela Europa (Mussolini em Itália, Hitler na Alemanha e Franco em Espanha) Salazar soube dar ao seu Estado Novo características muito próprias, capazes de o distinguir dos seus pares com quem, aliás, sempre manteve uma relação próxima e ao mesmo tempo distante. Fruto desta diplomacia, Salazar conseguiria mesmo evitar que Portugal se envolvesse na II Guerra Mundial e fazer um jogo duplo no qual envolveu os alemães e os ingleses, ora piscando o olho a um lado ora a outro. Com uma governação austera, salpicada aqui e ali por traços de grandeza imperialista (a Exposição do Mundo Português em 1940 é um dos melhores exemplos dessa tendência), Salazar manteve as contas do país equilibradas, mas sempre à custa da pobreza de um povo que morria de fome e que, com o rebentar da guerra nas várias colónias africanas, passaria também a morrer às mãos dos guerrilheiros. As pequenas escaramuças do início da década de 60 no norte de Angola depressa escalaram para cenários de guerra aberta na grande maioria das colónias africanas. Acrescia o facto da mudança que se verificou no panorama internacional, com a ONU a exigir a Portugal o início do processo de descolonização. Salazar via-se, cada vez mais, sozinho, mas não desistiu de manter o império ultramarino pela força das armas, ainda que o esforço resultasse num crescente mau estar interno em vários sectores, nomeadamente entre os militares. O seu afastamento do poder aconteceu apenas devido a doença. Em 1968 António de Oliveira Salazar é vítima de um Acidente Vascular Cerebral, a famosa queda da cadeira, que o deixa física e mentalmente diminuído. Por essa altura é substituído na presidência do Concelho por Marcelo Caetano mas Salazar continua convencido que é ele quem governa até ao dia da sua morte, em dia 27 de Julho de 1970.