• Tag Archives Filosofia
  • Vida de Lamennais

    Vida de Lamennais
    Vida de Lamennais «€25.00»

    Agostinho da Silva – Vida de Lamennais – (Biografia) – Edição de Autor / Grandes Oficinas “Minerva de Gaspar Pinto de Sousa, Sucessores, Limitada – V. N de Famalicão – 1943 . Desc. 109 Pagi. / 19 cm x 22 cm / Br. «1 Edição»


  • Vida de Pasteur

    Vida de Pasteur
    Vida de Pasteur «€25.00»

    Agostinho da Silva –  Vida de Pasteur – (Biografia) – Edição de Autor / Grandes Oficinas “Minerva de Gaspar Pinto de Sousa, Sucessores, Limitada – V. N de Famalicão – 1942 . Desc. 96 Pagi. / 19 cm x 22 cm / Br.«1 Edição»


  • Vida de Leopardi

    Vida de Leopardi
    Vida de Leopardi «€25.00»

    Agostinho da Silva – Vida de Leopardi – (Biografia) – Edição de Autor / Grandes Oficinas “Minerva de Gaspar Pinto de Sousa, Sucessores, Limitada – V. N de Famalicão – 1944 . Desc. 126 Pagi. / 19 cm x 22 cm  / Br. «1 Edição»


  • Vida de William Penn

    Vida de William Penn
    Vida de William Penn «€25.00»

    Agostinho da Silva – Vida de William Penn -(Biografia) – Edição de Autor / Grandes Oficinas “Minerva de Gaspar Pinto de Sousa, Sucessores, Limitada – V. N de Famalicão – 1946 . Desc. 116 Pagi. / 19 cm x 22 cm /Br. «1 Edição»

     George Agostinho Baptista da Silva nasceu no Porto em 1906, tendo-se ainda nesse ano mudado para Barca d’Alva (Figueira de Castelo Rodrigo), onde viveu até aos seus 6 anos, regressando depois ao Porto, onde inicia os estudos na Escola Primária de São Nicolau em 1912, ingressando em 1914 na Escola Industrial Mouzinho da Silveira e completando os estudos secundários no Liceu Rodrigues de Freitas, de 1916 a 1924. Dono de um percurso académico notável, de 1924 a 1928, frequenta Filologia Clássica na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, tendo concluído a licenciatura com 20 valores. Depois disso começa a escrever para a revista Seara Nova, colaboração que manteve até 1938. Em 1929, com apenas 23 anos, defende a sua dissertação de doutoramento a que dá o nome de “O Sentido Histórico das Civilizações Clássicas”, doutorando-se “com louvor”. Em 1931 parte como bolseiro para Paris, onde estuda na Sorbonne e no Collège de France. Após o seu regresso em 1933, lecciona no ensino secundário em Aveiro até ao ano de 1935, altura em que é demitido do ensino oficial por se recusar a assinar a Lei Cabral, que obrigava todos os funcionários públicos a declararem por escrito que não participavam em organizações secretas (e como tal subversivas). No mesmo ano, consegue uma bolsa do Ministério das Relações Exteriores de Espanha e vai estudar para o Centro de Estudos Históricos de Madrid. Em 1936 regressa a Portugal devido à iminência da Guerra Civil Espanhola. Cria o Núcleo Pedagógico Antero de Quental em 1939, e em 1940 publica Iniciação: cadernos de informação cultural. É preso pela polícia política em 1943, abandonando o país no ano seguinte (1944) em direcção à América do Sul, passando pelo Brasil, Uruguai e Argentina, no seguimento da sua oposição ao Estado Novo conduzido por Salazar. Em 1947 instala-se definitivamente no Brasil, onde vive até 1969. Em 1948, começa a trabalhar no Instituto Oswaldo Cruz do Rio de Janeiro, estudando entomologia, e ensinando simultaneamente na Faculdade Fluminense de Filosofia. Colabora com Jaime Cortesão na pesquisa sobre Alexandre de Gusmão. De 1952 a 1954, ensina na Universidade Federal da Paraíba (em João Pessoa (Paraíba)) e também em Pernambuco. Em 1954, novamente com Jaime Cortesão, ajuda a organizar a Exposição do Quarto Centenário da Cidade de São Paulo. É um dos fundadores da Universidade de Santa Catarina, cria o Centro de Estudos Afro-Orientais, e ensina Filosofia do Teatro na Universidade Federal da Bahia, tornando-se em 1961 assessor para a política externa do presidente Jânio Quadros. Participa na criação da Universidade de Brasília e do seu Centro Brasileiro de Estudos Portugueses no ano de 1962 e, dois anos mais tarde, cria a Casa Paulo Dias Adorno em Cachoeira e idealiza o Museu do Atlântico Sul em Salvador da Bahia. Regressa a Portugal em 1969, após a doença e morte de Salazar e a sua substituição por Marcello Caetano, facto que dá origem a alguma abertura política e cultural no regime. Desde então continua a escrever e a leccionar em diversas universidades portuguesas, dirigindo o Centro de Estudos Latino-Americanos da Universidade Técnica de Lisboa, e no papel de consultor do Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, (actual Instituto Camões). Em 1990, a RTP1 emitiu uma série de treze entrevistas com o professor Agostinho da Silva, denominadas Conversas Vadias. Uma outra entrevista, conduzida por António Escudeiro e chamada Agostinho por si próprio, fala sobre a sua devoção ao Espírito Santo e foi publicada pela editora Zéfiro em 2006. Faleceu no Hospital de São Francisco Xavier, em Lisboa, no ano de 1994. Um documentário sobre o próprio, intitulado “Agostinho da Silva: um pensamento vivo” (disponível no youtube), foi realizado por João Rodrigues Mattos e lançado pela Alfândega Filmes em 2004. Agostinho da Silva é um dos maiores filósofos de sempre e referenciado como um dos principais intelectuais portugueses do século XX. Da sua extensa bibliografia, destacam-se o livro Sete cartas a um jovem filósofo, publicado em 1945.


  • Theatro Critico o Universal o Discursos Varios en Todo Genero de Materias, para Desengano de Errores Senor Infante de Espanã D. Carlos de Borbon Y Farnesio Por mano Del Senõr D. Francifco de Aguirre Y Salcedo, Ayo de Su Alteza.

    Theatro Critico Universal o Universal o Discursos Varios en Todo Genero de Materias, para Desengano de Errores Senor Infante de Espanã D. Carlos de Borbon Y Farnesio Por mano Del Senõr D. Francifco de Aguirre Y Salcedo, Ayo de Su Alteza.
    Theatro Critico Universal o Universal o Discursos Varios en Todo Genero de Materias, para Desengano de Errores Senor Infante de Espanã D. Carlos de Borbon Y Farnesio Por mano Del Senõr D. Francifco de Aguirre Y Salcedo, Ayo de Su Alteza. «€300.00»

    Frei. Benito Feijoo Montenegro – Theatro Critico Universal o Discursos Varios en Todo Genero de Materias, para Desengano de Errores Senor Infante de Espanã D. Carlos de Borbon Y Farnesio Por mano Del Senõr D. Francifco de Aguirre Y Salcedo, Ayo de Su Alteza – Tomo Quarto. /Tercera Impression / En La Imprenta de Los Herederos de Francifco Del Hierro / Madrid – Año de M.DCC.XXXVII. Desc.422 + Índice de 20,5cm x15,5cm com Encadernação de Origem em Pele Clara

    Benito Jerónimo Feijoo e Montenegro (O Pereiro de Aguiar, Ourense, 8 de Outubro de 1676 — Oviedo, 26 de Setembro de 764) foi um influente polígrafo, ensaísta e filósofo espanhol de origem galega, considerado como uma das  figuras  literárias  mais  importantes  da Espanha do século XVIII e um dos primeiros defensores do Iluminismo na Península Ibérica. Professor na Universidade de Oviedo, foi monge beneditino, poliglota e estudioso da arte e da literatura. Dedicou-se ao ensaio, contando entre as suas principais obras o Teatro crítico universal (1726) e Cartas eruditas, uma recolha de 166 ensaios. Filho de fidalgos galegos, nasceu em Casdemiro, O Pereiro de Aguiar, Galiza. Considerado seguidor das ideais de frei Martinho Sarmiento, ingressou como ele num mosteiro beneditino uns meses antes de que completar os 14 anos de idade. Optando pela via clerical, cursou estudos superiores nas cidades de Salamanca e Oviedo e dedicou toda a sua vida ao estudo das línguas, da história e da literatura. Desde 1709, e durante mais de meio século, residiu nas Astúrias, no colégio de San Vicente de Oviedo


  • Os Enygmas do Universo

    Os Enygmas do Universo
    Os Enygmas do Universo «€50.00»

    Ernesto Haeckel – Os Enygmas do Universo (Tradução de Jayme Filinto) – Livraria Chardron, de Lello Irmão – Porto – 1908. Desc. 463 Paginas de  20cm x 13,5cm com Encadernação em Meia/Francesa de Pele

     

     ErnstHaeckelDW.jpgErnst Heinrich Philipp August Haeckel (Potsdam, 16 de Fevereiro de 1834 — Jena, 9 de Agosto de 1919) foi um naturalista alemão que ajudou a popularizar o trabalho de Charles Darwin e um dos grandes expoentes do cientismo positivista. Foi médico e um artista versado em ilustração que se tornaria professor em anatomia comparada. Foi dos primeiros a considerar a psicologia como um ramo da fisiologia. Propôs alguns termos utilizados frequentemente como filo e ecologia. Os seus principais interesses recaíram nos processos evolutivos e de desenvolvimento e na ilustração científica. O seu livro Kunstformen der Natur é um conjunto de ilustrações de diversos grupos de seres vivos. As observações científicas de Haeckel levaram à proposição de uma ligação entre a ontogenia (desenvolvimento da forma) e filogenia (descendência evolutiva), mais tarde chamada de teoria da recapitulação e consubstanciada na expressão “a ontogenia recapitula a filogenia”. Em 1874, os desenhos dos embriões de Haeckel foram revelados como falsos e ele foi condenado em um tribunal universitário confessando que apenas a falsificação de alguns dos desenhos, forjados para dar maior credibilidade (curiosamente ninguém sabe até hoje como alguém que morreu em 1919 poderia ter confessado algo em 1874, mais de uma década após o advento do marxismo cultural). 


  • Lições de Filosofia dos Mais Variados Ramos da Actividade Humana a Luz da Ciência

    Lições de Filosofia dos Mais Variados Ramos da Actividade Humana a Luz da Ciência
    Lições de Filosofia dos Mais Variados Ramos da Actividade Humana a Luz da Ciência «€10.00»

    Filipe Viegas Aleixo – Lições de Filosofia dos Mais Variados Ramos da Actividade Humana a Luz da Ciência – Edição de Autor – Loulé – 2000. Desc. 319 pág /21 cm x 15 cm / Br.


  • A Argonáutica

    A Argonáutica  «€12.00»
    A Argonáutica «€12.00»

    Apolónio de Rodes – A Argonáutico – Publicações – Europa- América – Lisboa – 1989. Desc. 183 pág / 21 cm x 14 cm / Br.

     

    As notícias sobre a vida da Apolónio são escassas e, por vezes, contraditórias, com poucos dados considerados seguros: o seu nascimento no Egipto, talvez em Alexandria, nos primeiros anos do séc. III AC.; o exílio em Rodes, mas não se sabe se voluntário ou forçado: a tradição explica-o pelo insucesso de uma primeira leitura da “Argonautika” mas outras fontes referem o regresso triunfal de Rodes a Alexandria, obtendo até a direcção da famosa biblioteca. Julga-se que, para além de poeta, Apolónio se tenha exercitado como filólogo e, sendo assim, ter-se-á debruçado seguramente sobre os textos de Homero, participando no debate que suscitaram na época. De resto, na sua obra Apolónio reutiliza a linguagem homérica mas tal circunstância deve entender-se como autónoma função expressiva do texto “moderno”. A transformação da epopeia «De ti seja o início, Febo, para que eu recorde a gesta / dos heróis antigos que…/ guiaram Argos, a sólida nave, ao velocino de ouro» (I, 1-4). Assim começa solenemente o poema de Apolónio e o proémio produz de imediato a enunciação do tema: de forma concisa alude à viagem de Jasão, à sua causa, ao meio utilizado. Tendo reconhecido em Jasão a ameaça ao seu poder, Pélias encarregou o herói de empresa perigosa: recuperar o tosão de ouro do mágico carneiro que tinha sido sacrificado a Zeus, trazendo-o da Cólquida, no extremo Leste, próximo de Ponto, actual Mar Negro, para a Grécia. O projecto, como se vê, não pertence aos Argonautas, é-lhes imposto pelo rei da Tessália («Manda-me um deus e o feroz comando de um rei soberbo», III,390). Na perspectiva omnisciente do narrador, a vontade de Pélias é conotada por subtil ironia, porque a sua ruína será causada precisamente como consequência da viagem de Jasão: matá-lo-á Medeia, cumprindo a vingança de Hera, que o rei tinha transcurado nos sacrifícios (segundo um antigo motivo folclórico). Ao contrário da “Odisseia”, com o herói longe da sua pátria, percorrendo as difíceis etapas até reencontrá-la, no poema de Apolónio a viagem é circular, porque o grande ideal que a justifica, na consciência dos argonautas, é o do regresso. Por outro lado, à virtude bélica tradicional, Jasão contrapõe um outro valor: a retórica, instrumento capaz de encontrar mediações e de evitar, mais do que resolver, os diversos conflitos. Na empresa de apoderar-se do tosão de ouro, Jasão é ajudado por Medeia; e quando os dois celebram as bodas apressadas e constrangidas pela presença hostil dos Cólquidos, vivem uma situação emblemática e ontologicamente reflexiva: «Nós, estirpe infeliz dos homens, não podemos entrar / na alegria com pé seguro; sempre a dor amarga/ se instaura no meio dos momentos do nosso prazer» (IV, 1165-1167). Por isso, na sua complexidade e expansão textual (quatro “livros”, 5 836 versos), no modo de compor as figuras, Jasão representa a criação de um poeta com uma visão do homem e do mundo seguramente pessimista mas, ao mesmo tempo, seguindo uma posição laica da causalidade épica: um desejo de interpenetração entre o mundo nostálgico dos heróis e o mundo contemporâneo dos estudiosos, formando um conjunto coerente de todos os dados do real e da tradição literária. Assistimos, sem dúvida, à transformação da epopeia, esvaziando-a do conteúdo habitual para lhe inserir material novo, uma vida nova.