• Category Archives Poesia
  • Aproximações e Eugénio de Andrade

    José da Cruz Santos (Coordenações) e (Direcção Gráfica) de Armando Alves – Aproximações e Eugénio de Andrade – (A.M.Pires Cabral) (Alberto Pimenta) (Ángel Crespo) ( António Lobo Antunes) (António Osório) (António Ramos Rosa) (António Salvado) ( Armando Silva Carvalho) (Bruno Tolentino) ( Carlos Vittorio Cattaneo) (Egito Gonçalves) (Fernando Pinto do Amaral) (Fiama Hasse Pais Brandão) (Gastão Cruz) (Inês Lourenço) (João Miguel Fernandes Jorge) (Joaquim Manuel Magalhães) (Jorge Sena) (Jorge Sousa Braga) (José Bento) (José Fernandes Fafe) (José Tolentino de Mendonça) (Luís Filipe Castro Mendes) (Manuel Alegre) (Manuel António Pina) (Mário Cláudio) (Nuno Júdice) (Pedro Homem de Mello) (Rosa Alice Branco) (Ruy Cinatti) (Teresa Balté) (Vasco Graça Moura) (Vergílio Alberto Vieira) (Wolfgang Bächler) – Asa Editores – Porto – 2001. Desc.[XCIV] pág + [35 estampas] / 30 cm x 25 cm / E. Tela Ilust

  • Lisboa Cidade que Navega

    Lisboa Cidade que Navega «€40.00»

    Javier Campano (Fotografia) – Lisboa Cidade que Navega ( Poesia de Fernando Pessoa, Ricardo Reis & Alberto Caeiro) – Editora – Isabel Pérez. Ediciones de Artes – Espanha – 1998. Desc.[134] pág / 26 cm x 25 cm / E. Ilust.

     

    Resultado de imagem para Javier CampanoJavier Campano – Nasceu em Madrid em 1950. Dedicou-se profissionalmente a Fotografia desde 1975, Realizando Trabalhos para Diferentes Gêneros de Imprensa e Editoras. É Autor de Vários Livros e as suas Fotografias Podem ser Apreciadas em Diferentes Salas e Museus do Mundo.

     

     


  • A Mulher e a Sensibilidade Portuguesa – Antologia

    A Mulher e a Sensibilidade Portuguesa – Antologia «€50.00»

    A Mulher e a Sensibilidade Portuguesa – Antologia Organizada por Ivone Maria Gabriel Pinheiro da Silva – Capa e Ilustração de Gracinda Candeias -Edição do Comissariado Provincial da Mocidade Portuguesa Feminina – Luanda – 1970. Desc.[IX] + [815] pág /


  • Deixai-me Viver

    Deixai-me Viver «€12.50»

    Raquel Vieira Samora Leote – Deixai-me Viver (Poemas) – União Gráfica – Lisboa – 1985. Desc.[62] pág / 21.5 cm x 14,5 cm / Br. Ilust.

     

     

    Raquel Vieira Samora Leote – Nascida em Albufeira (Algarve), em 15 de Setembro de 1908. Autora de um Livro de Poemas Carrocel, em 1984.

    Deixai-me Viver, e o seu segundo livro de Poemas, onde os seus pensamentos em versos simples, são autênticos pinceladas de quadros realistas duma vida misturada de solidão e fé em Deus

     


  • Fonte da Mourela (Póvoa de Meadas)

    Fonte da Mourela (Póvoa de Meadas) «€20.00»

    Jaime Cruz Soares – Fonte da Mourela (Póvoa de Meadas) – Poesia – Edição de Autor – Castelo de Vide / Povoa de Medas – 1997. Desc.[160] pág / 24 cm x 117 cm / Br. [Autografado]

     

     

     

    Jaime Cruz Soares nasceu em Póvoa e Meadas a 13 de Outubro de 1927 (tinha 88 anos), filho de Maria Ana Marques e de Teodorico José Soares. Cursou Engenharia no Porto e viveu diversos anos em Angola onde exerceu a sua atividade profissional. Foi vereador na Câmara Municipal de Castelo de Vide e professor na Escola de São Lourenço e formador no Instituto do Emprego e Formação Profissional de Portalegre. Fundou a loja de ferramentas Rolmac, ao pé do Mercado de Portalegre. Ficou ainda conhecido por ter escrito livros de poesia e sobre Angola e o Caminho de Ferro de Benguela, de que se destacam “Angola – rabiscos de um retornado… : do caminho de Ferro de Benguela”, “A Fonte da Mourela”, “Meu Chão Salgado” e “Folhas Caindo,,, na Serra de São Mamede”, além de diversos trabalhos publicados em Angola.


  • Alma em Farrapos….

    Alma em Farrapos…. «€35.00»

    Augusto Diniz de Souza – Alma em Farrapos…. – Livraria Rodrigues – Lisboa – 1948. Desc.[114] pág / 21 cm x 14 cm / Br.

     

    Resultado de imagem para augusto diniz de sousa - sonetosAugusto Diniz Sousa (Augusto da Conceição Diniz Neves de Sousa), n. 8- XII-1905, na freguesia e conselho de Marinha Grande, distrito de Leiria (Portugal). Professor, poeta, escritor, contabilista e tecnologista diplomado. Sócio administrador das extintas Empresa Corticeira de Portugal, Empresa Resineira do Sul e Sociedade Industrial de Cerâmica. Desempenhou cargos na Caixa Económica de Lisboa e no Contencioso do Montepio Geral. Publicou : “Alma em farrapos. . . ” (sonetos) ; poemas Soldados de Portugal, Violetas, Mensageiros da Pátria, Maria Benedita-bilingue, Hino à Rainha Santa, Florela, Luar, Adeus Amor, Nunca Mais, Sem ti … , Matrimónio. Estrelas sem luz. . . ; e Cântico de Fátima. Conferências genealógicas, etc. Pertence a várias instituições culturais: Instituto Genealógico Brasileiro, Associação de Intercâmbio Cultural (Guiratinga, Mato Grosso), Sociedade Literária da Casa de Humberto de Campos (Carolina, Maranhão), diretor da Sociedade de Língua Portuguesa, etc. Filho de Augusto Ribas das Neves de Sousa, f, e de d. Maria da Conceição da Natividade Diniz (Neves de Sousa).


  • Poemas (ALDA LARA)

    Poemas (ALDA LARA) «€60.00»

    Alda Pires Barreto de Lara de Albuquerque (Alda Lara) – Poemas (Obra Completa) – Imbondeiro / Grafica da Huíla,Lda – Sá da Bandeira – Angola – 1966. Desc.[193] pág / 20 cm x 15 cm / Br. [1.ª Edição]

     

     

    Resultado de imagem para alda laraAlda Ferreira Pires Barreto de Lara Albuquerque, conhecida como Alda Lara (9 de junho de 1930, Benguela, Angola – 30 de janeiro de 1962, Cambambe, Angola), foi uma poetisa portuguesa de origem angolana, que criou uma grande produção poética, publicada apenas após a sua morte, através da recolha dos seus poemas feita pelo seu marido.Nasceu em Benguela, em 1930, sendo irmã do poeta Ernesto Lara Filho. Ainda nova mudou-se para Lisboa onde concluiu o 7º ano do Liceu. Posteriormente, Frequentou as Faculdades de Medicina de Lisboa e depois de Coimbra, onde acabou por se licenciar. Esteve ligada a actividades da Casa dos Estudantes do Império (CEI), sendo uma excelente declamadora, chamando a atenção para os poetas africanos. Alda Lara foi casada com o escritor Orlando Albuquerque. Após a sua morte, a Câmara Municipal de Sá da Bandeira (actual Lubango) instituiu o Prémio Alda Lara de poesia, em sua homenagem. O seu marido, recolheu a sua poesia e publicou postumamente toda a a sua obra

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     


  • Proa ao Vento (Poesia)

    Proa ao Vento (Poesia)
    Proa ao Vento (Poesia) «€20.00»

    A.Vicente Campina – Proa ao Vento (Poesia) – Tipografia Cácima – Faro – 1966. Desc.[100] pág / 18,5 cm x 12,5 cm / Br. «1.ª Edição»

     

     

    Resultado de imagem para antonio Vicente CampinaANTÓNIO VICENTE CAMPINAS (1910 – 1998)

    Poeta, romancista, cronista e jornalista, destacou-se como cidadão da Resistência antifascista, tendo um importante papel nos combates pela Liberdade e pela Democracia. Foi militante do PCP, desde jovem, e pagou a militância com a prisão e o exílio. Homem multifacetado, foi um escritor cuja mensagem ficou perpetuada nos seus textos, com a denúncia das dificuldades da população algarvia e as referências à sua constante luta. Era um homem generoso e solidário. A sua tranquilidade e doçura geravam empatia. Nasceu a 28 de Dezembro de 1910 em Vila Nova de Cacela, concelho de Vila Real de Santo António. Pouco depois, a família fixou-se nesta vila. O seu primeiro emprego foi na Tipografia Socorro, na vila onde vivia e, mais tarde, como guarda-livros das firmas Capa, Folque e Rita. A escrita e a Literatura foram sempre a sua grande paixão. Começou por abrir uma pequena livraria na Rua Teófilo Braga e, em 1935, fundou e dirigiu o periódico Foz do Guadiana, em Vila Real de Santo António. Foi colaborador regular do importante semanário de crítica literária e artística “O Diabo”, desde a sua criação (1934), até ao seu encerramento pela polícia fascista (1940). Andou lado a lado com Alves Redol, Manuel da Fonseca e Fernando Namora, entre outros. Sofreu perseguições políticas, foi preso e esteve exilado. Figura cimeira do neo-realismo português, foi autor de vastíssima obra, abrangendo vários géneros literários, da poesia ao romance, mas também novela e crónica. Alguns dos seus livros foram traduzidos em várias línguas. Autodidacta de grande talento, tornou-se um escritor muito apreciado, vindo a ser citado em estudos universitários. Foi também colaborador de vários jornais e fundador do “Jornal do Cinema” que obteve alguma projecção. Faleceu em 3 de Novembro de 1998.


  • Revista – Instituto de Cultura e Língua Portuguesa (ICALP)

    (1) – Revista / Março de 1985 – n.º1 – O Traçar do Rumo – Fernando Cristovão / Homenagem ao Instituto de Alta Cultura – lídio do Amaral /  A Praça do Príncipe Real e os Vários Prédios que o Circundam – Eduardo Martins Bairrada / Para Uma Perspectiva da Cultura Portuguesa – Fernando de Mello Moser / Uma Personalidade, Um Tempo, Uma Obra – Fernando Namora Fala a Maria Alzira Seixo / Inter-Bruxo: Um Analisador Ortográfico Interativo para o Português – Pedro Guerreiro / Homem de saber e de Fé: Padre Manuel Antunes: – A. L. de Sousa Franco / O Tratamento Lexicográfico de Texto africano em Língua Portuguesa. O «Africanismo» – Carlos Alberto Antunes Maciel / a Universidade de Coimbra Acolheu Tancredo Neves / Academia das Ciências de Lisboa / In Memoriam… /  Evocações Pessoanas / Prémios e Condecorações – Instituto de Cultura e Língua Portuguesa (ICALP) – Lisboa – 1985. Desc. 118 pág / 23 cm x 16,5 cm / Br. Ilust «€15.00»

    (2) – Revista / Agosto – Dezembro de 1985 – n.º2 & 3 – Linguagem e Ciência – Harald Weinrich / Gramática Pastrane Um Apontamento Bibliognóstico – Justino Mendes de Almeida / Uma Personalidade, Um Tempo, uma Obra – Luis Archer Fala a Maria de Lurdes Belchior / Questões Sobre a Cultura Portuguesa – Respostas e Prof. Dr. José Sebastião da Silva Dias / Língua e Cultura Portuguesa no Mundo – Fernando Cristóvão / Das Geometrias Labirínticas – Lima de Freitas / Linguagem e Celebração Religiosa – Albino Mamede Cleto / Letra da Lei em Tradução – José Pestana / Sociedade da Língua Portuguesa / Homenagens / Língua e Literatura na  Universidade dos Açores  – Instituto de Cultura e Língua Portuguesa (ICALP) – Lisboa – 1985. Desc. 176 pág / 23 cm x 16,5 cm / Br. Ilust «€15.00»

    (3) – Revista / Julho de 1986 – n.º 5 – Unidade da Língua Portuguesa / Maria Helena Mira Mateus  – Bases Analíticas da Ortografia Simplificada da Língua Portuguesa de 1945, renegociadas em 1975 e consolidadas em 1986  / Unificação ortográfica da Língua Portuguesa – João Malaca Casteleiro / A hora e a vez da Língua Portuguesa – Fernando Cristóvão / Um juízo sobre o novo Acordo Ortográfico – Ivo de Castro /  As origens do novo acordo – Luís F. Lindley Cintra  / O Acordo Ortográfico na praça pública  A Língua dos «Infantes» –  Eduardo Prado Coelho  /  Humortográfico /  Ortografia e Ortografia Portuguesa – José Gonçalo Herculano de Carvalho / Notícia sobre a elaboração da Terminologia Científica e Técnica da Língua Portuguesa / Maria Elisa Macedo Oliveira  – Uma Personalidade, Um Tempo Uma Obra – José de Matos / Cruz fala de Cinema Português  / Fernando Pessoa e os meandros da Solidão – António Mateus Vilhena / O Universo Telúrico de Aquilino Ribeiro (II) –  Antonio Valdemar / UMA INSTITUiÇÃO, UMA HISTÓRIA Os Jardins-Escolas João de Deus – Um Centro Cultural, Um · Método, Uma Cartilha /  Do ensino do Latim na actualidade – Maria Helena da Rocha Pereira / Foi a Espanha quem descobriu o Brasil? – Um depoimento a Espanha quem descobriu o Brasil? – Um depoimento descoberta do Brasil – Luís de Albuquerque / Prémios literários em Portugal – Dulce Matos  / O aniversário do Tratado de Windsor / Baquero Moreno – Instituto de Cultura e Língua Portuguesa (ICALP) – Lisboa – 1986. Desc. 168 pág / 23 cm x 16,5 cm / Br. Ilust «€15.00»


  • Colecção Completa de Ramalho Ortigão / [As Farpas] + [Correio de Hoje] + [ Cronicas Portuenses] + [Folhas Soltas] + [Costumes e Perfis] + [John Bull] + [Banhos e Caldas e Águas Minerais] + [Notas de Viagem] + [Em Paris] + [A Holanda] + [Arte Portuguesa] + [Pela Terra Alheia] +[Farpas Esquecidas] + [Primeiras Prosas] + [Figuras e Questões Literárias] + [O Mistério da Estrada de Sintra] + [As Praias de Portugal] + [Contos e Paginas Dispersas] + [Ultimas Farpas]

    Colecção Completa de Ramalho Ortigão
    Colecção Completa de Ramalho Ortigão «€500.00»

    Ramalho Ortigão – [As Farpas] + [Correio de Hoje] + [ Cronicas Portuenses] + [Folhas Soltas] + [Costumes e Perfis] + [John Bull] + [Banhos e Caldas e Águas Minerais] + [Notas de Viagem] + [Em Paris] + [A Holanda] + [Arte Portuguesa] + [Pela Terra Alheia] +[Farpas Esquecidas] + [Primeiras Prosas] + [Figuras e Questões Literárias] + [O Mistério da Estrada de Sintra] + [As Praias de Portugal] + [Contos e Paginas Dispersas] + [Ultimas Farpas] – Livraria Clássica Editora – Lisboa 1943/1966. Desc.[XXXVIII + 270] + [279] + [288] + [318] + [318] + [300] + [326] + [323] + [301] + [302] + [322] + [259] +[241] + [247] + [259] + [199 + 204] + [298 + 236 + 262] + [282 + 310] + [200 + 202] + [260] + [309] + [342] + [303] + [275] + [285] + [253] + [287] + [290] + [212] + [490] + [229 + 223] + [318] + [254] / 18,5 cm x 12,5 cm / E. Pele

     

    Resultado de imagem para ramalho ortigãoJosé Duarte Ramalho Ortigão (Porto, Santo Ildefonso, Casa de Germalde, 24 de outubro de 1836 — Lisboa, Mercês, 27 de setembro de 1915) foi um escritor português. José Duarte Ramalho Ortigão nasceu no Porto, na Casa de Germalde, freguesia de Santo Ildefonso. Era o mais velho de nove irmãos, filhos do primeiro-tenente de artilharia Joaquim da Costa Ramalho Ortigão e de sua mulher D. Antónia Alves Duarte Silva. Viveu a sua infância numa quinta do Porto com a avó materna, com a educação a cargo de um tio-avô e padrinho Frei José do Sacramento. Em Coimbra, frequentou brevemente o curso de Direito. Ensinou francês e dirigiu o Colégio da Lapa no Porto, do qual seu pai havia sido diretor. Iniciou-se no jornalismo colaborando no Jornal do Porto e no jornal de cariz monárquico O Correio: Semanário Monárquico(1912-1913). Também foi colaborador em diversas publicações periódicas, em alguns casos postumamente, entre as quais se destaca: Acção realista (1924-1926); O António Maria(1879-1885;1891-1898); Branco e Negro (1896-1898); Brasil-Portugal (1899-1914); Contemporânea (1915-1926); A Esperança(1865-1866; Galeria republicana (1882-1883); Gazeta Literária do Porto (1868), Ideia Nacional  (1915), A Imprensa(1885-1891); O Occidente (1878-1915); Renascença (1878-1879?); Revista de Estudos Livres  (1883-1886), A semana de Lisboa (1893-1895); A Arte Portuguesa (1895); Tiro e Sport  (1904-1913); Serões (1901-1911); O Thalassa: semanario humoristico e de caricaturas (1913-1915). Em 24 de outubro de 1859 casou com D. Emília Isaura Vilaça de Araújo Vieira, de quem veio a ter três filhos: Vasco, Berta e Maria Feliciana. Ainda no Porto, envolveu-se na Questão Coimbrã com o folheto “Literatura de hoje”, acabando por enfrentar Antero de Quental num duelo de espadas, a quem apodou de cobarde por ter insultado o cego e velhinho António Feliciano de Castilho. Ramalho ficou fisicamente ferido no duelo travado, em 6 de fevereiro de 1866, no Jardim de Arca d’Água. No ano seguinte, em 1867, visita a Exposição Universal em Paris, de que resulta o livro Em Paris, primeiro de uma série de livros de viagens. Insatisfeito com a sua situação no Porto, muda-se para Lisboa com a família, obtendo uma vaga para oficial da Academia das Ciências de Lisboa. Reencontra em Lisboa o seu ex-aluno Eça de Queirós e com ele escreve um “romance execrável” (classificação dos autores no prefácio de 1884): O Mistério da Estrada de Sintra (1870), que marca o aparecimento do romance policial em Portugal. No mesmo ano, Ramalho Ortigão publica ainda Histórias cor-de-rosa e inicia a publicação de Correio de Hoje (1870-71). Em parceria com Eça de Queirós, surgem em 1871 os primeiros folhetos de As Farpas, de que vem a resultar a compilação em dois volumes sob o título Uma Campanha Alegre. Em finais de 1872, o seu amigo Eça de Queirós parte para Havana exercer o seu primeiro cargo consular no estrangeiro, continuando Ramalho Ortigão a redigir sozinho As Farpas. Entretanto, Ramalho Ortigão tornara-se uma das principais figuras da chamada Geração de 70. Vai acontecer com ele o que aconteceu com quase todos os membros dessa geração. Numa primeira fase, pretendiam aproximar Portugal das sociedades modernas europeias, cosmopolitas e anticlericais. Desiludidos com as luzes europeias do progresso material, porém, numa segunda fase voltaram-se para as raízes de Portugal e para o programa de um “reaportuguesamento de Portugal”. É dessa segunda fase a constituição do grupo “Os Vencidos da Vida”, do qual fizeram parte, além de Ramalho Ortigão, o Conde de Sabugosa, o Conde de Ficalho, o Marquês de Soveral, o Conde de Arnoso, Antero de Quental, Oliveira Martins, Guerra Junqueiro, Carlos Lobo de Ávila, Carlos de Lima Mayer e António Cândido. À intelectualidade proeminente da época juntava-se agora a nobreza, num último esforço para restaurar o prestígio da Monarquia, tendo o Rei D. Carlos I sido, significativamente, eleito por unanimidade “confrade suplente do grupo”. Na sequência do assassínio do Rei, em 1908, escreve D. Carlos o Martirizado. Com a implantação da República, em 1910, pede imediatamente a Teófilo Braga a demissão do cargo de bibliotecário da Real Biblioteca da Ajuda, escrevendo-lhe que se recusava a aderir à República “engrossando assim o abjecto número de percevejos que de um buraco estou vendo nojosamente cobrir o leito da governação”. Saiu em seguida para um exílio voluntário em Paris, onde vai começar a escrever as Últimas Farpas (1911-1914) contra o regime republicano. O conjunto de As Farpas, mais tarde reunidas em quinze volumes, a que há que acrescentar os dois volumes das Farpas Esquecidas, e o referido volume das Últimas Farpas, foi a obra que mais o notabilizou por estar escrita num português muito rico, com intuitos pedagógicos, sempre muito crítico e revelando fina capacidade de observação. Eça de Queirós escreveu que Ramalho Ortigão, em As Farpas, “estudou e pintou o seu país na alma e no corpo”. Regressa a Portugal em 1912 e, em 1914 dirige a célebre Carta de um velho a um novo, a João do Amaral, onde saúda o lançamento do movimento de ideias políticas denominado Integralismo Lusitano: “A orientação mental da mocidade contemporânea comparada à orientação dos rapazes do meu tempo estabelece entre as nossas respectivas cerebrações uma diferença de nível que desloca o eixo do respeito na sociedade em que vivemos obrigando a elite dos velhos a inclinar-se rendidamente à elite dos novos”. Vítima de cancro, recolheu-se na casa de saúde do Dr. Henrique de Barros, na então Praça do Rio de Janeiro, em Lisboa, vindo a falecer em 27 de setembro de 1915, na sua casa da Calçada dos Caetanos, na Freguesia da Lapa. Foi Comendador da Ordem Militar de Cristo e Comendador da Imperial Ordem da Rosa do Brasil. Além de bibliotecário na Real Biblioteca da Ajuda, foi Secretário e Oficial da Academia Nacional de Ciências, Vogal do Conselho dos Monumentos Nacionais, Membro da Sociedade Portuguesa de Geografia, da Academia das Belas Artes de Lisboa, do Grémio Literário, do Gabinete Português de Leitura do Rio de Janeiro, e da Sociedade de Concertos Clássicos do Rio de Janeiro. Em Espanha, foi-lhe atribuída a Grã-Cruz da Ordem de Isabel a Católica e foi membro da Academia de História de Madrid, da Sociedade Geográfica de Madrid, da Real Academia de Bellas Artes de San Fernando, da Unión Ibero americana e da Real Academia Sevillana de Buenas Letras.Foram impressas duas notas de 50$00 Chapa 6 e 6A de Portugal com a sua imagem.